Ir para o conteúdo principal

Ramos do Cooperativismo

Também chamados de objetivos sociais, os ramos do cooperativismo representam as áreas de atuação das cooperativas. No Brasil, são 13 os ramos do cooperativismo:

  • AgropecuárioAgropecuário

    As cooperativas agropecuárias formam o grupo de maior expressão econômica no país, também corresponde a um dos segmentos de maior número com cooperativas. O ramo é composto pelas cooperativas de produtores rurais ou agropastoris e de pesca, cujos meios de produção pertencem aos próprios cooperados, mas que se unem para auferir ganhos na operação em conjunto de suas atividades. Essas cooperativas, normalmente, abrangem toda a cadeia produtiva, desde o preparo da terra até o processamento da matéria-prima e a comercialização do produto final.

  • CréditoCrédito

    Um dos ramos mais dinâmicos do cooperativismo. Neste tipo de sociedade, busca-se a melhor administração, através da ajuda mútua e sem fins lucrativos, dos recursos financeiros dos cooperados. Tais sociedades prestam serviços financeiros e de natureza bancária, com condições mais favoráveis aos seus associados. Como são equiparadas às instituições financeiras tradicionais, seu funcionamento é regulamentado pelo Banco Central. Vale lembrar que uma cooperativa de crédito está submetida aos rigores da fiscalização do Sistema Financeiro Nacional, sujeitando seus gestores à Lei dos Crimes Contra o Sistema Financeiro Nacional (Lei 7.492).

  • ConsumoConsumo

    Neste ramo, as cooperativas dedicam-se à compra, em comum, de artigos de consumo a fim de proporcioná-los aos cooperados com menor preço. Subdividem-se em fechadas e abertas. Sendo a primeira, aquelas que admitem somente as pessoas ligadas a uma mesma cooperativa, sindicato ou profissão. E a segunda, as que admitem qualquer pessoa que queira associar-se a ela.

  • EducacionalEducacional

    Cooperativas educacionais surgiram a partir da deficiência do Estado de prover ensino público de qualidade e da incapacidade das famílias de bancar os altos custos do ensino particular. O papel de uma cooperativa educacional é de ser a gestora e mantenedora da escola. A escola deve funcionar de acordo com a legislação em vigor, da mesma forma que qualquer outra escola. No caso específico da cooperativa de ensino, é importante ver o empreendimento focando o ponto de vista social e ideológico, muito mais do que o econômico. Ficando claro que o objetivo maior é a formação educacional de crianças e adolescentes e não o lucro e sobras financeiras.

    Tais cooperativas são, basicamente, formadas por: professores, que se organizam como profissionais autônomos para prestarem serviços educacionais; alunos; pais de alunos que buscam melhor educação aos seus filhos, administrando escolas e contratando professores.

  • HabitacionalHabitacional

    Essas são cooperativas diferenciadas, criadas com um propósito único e temporário, um consórcio, com o objetivo de adquirir a casa própria. Portanto, tão logo esse objetivo é atingido, sua liquidação é posta em prática. Em um país como o Brasil, cujo déficit habitacional é evidente, tais cooperativas são de suma importância social, pois facilita, às famílias de baixa e média renda, o acesso à casa própria.

  • InfraestruturaInfraestrutura

    Segmento constituído por cooperativas que visam prestar, de forma coletiva, serviços de infraestrutura aos seus cooperados. No Brasil, são mais conhecidas como cooperativas de eletrificação. Como a eletrificação rural não é um empreendimento rentável para as concessionárias de energia elétrica, o meio rural ficou desprovido de tal serviço. Com o propósito de resolver esse problema, surgiram as cooperativas de infraestrutura. Elas têm como objetivo o fornecimento de energia elétrica às comunidades de seu entorno, seja gerando sua própria energia, ou repassando a energia de concessionárias através de suas linhas de transmissão.

  • ProduçãoProdução

    Cooperativas de produção são aquelas cujos associados contribuem com serviços laborais ou profissionais para a produção em comum de bens, e que a própria cooperativa detenha os meios de produção. É uma forma interessante para aqueles que querem deixar de ser assalariados, para descobrir as vantagens de constituir seu próprio negócio – a cooperativa - ou mesmo para os que não conseguem encontrar espaço no mercado de trabalho.

  • TrabalhoTrabalho

    Essas cooperativas buscam melhorar a remuneração e as condições de trabalho dos seus associados. São constituídas por pessoas ligadas a uma determinada ocupação profissional. Para qualquer profissão pode-se criar uma cooperativa de trabalho, transformando-se no segmento de maior abrangência dentro do cooperativismo. O desvirtuamento dos atos cooperativos pode levar à constatação do vínculo empregatício conforme a Consolidações das Leis Trabalhista (CLT), dando espaço para medidas legais vindas do Ministério Público do Trabalho. Certamente é o ramo com maior potencial de crescimento, mas também é onde a complexidade jurídica mais prejudica sua atuação.

  • SaúdeSaúde

    Basicamente, as cooperativas de saúde dedicam-se à prestação e promoção da saúde humana. Dividem-se em médicas, odontológicas, psicológicas e de usuários. É um ramo genuinamente brasileiro, pois surgiu no país. Presente em todo território brasileiro, presta serviço de saúde à grande parte da população, sendo de suma importância na sociedade.

  • EspeciaisEspecial

    A Lei federal 9.867, de 1999, possibilitou a criação de cooperativas de objeto social, tendo como intuito a organização e gestão de serviços sócio sanitários, bem como educativos às pessoas que, de certa forma, precisam ser tuteladas ou que se encontram em situação desvantajosas. Desenvolvem suas atividades – agrícola, industriais, comerciais e de serviços – contemplando pessoas tais como: deficientes físicos, sensoriais, psíquicos, dependentes químicos, ex-apenados, presidiários, etc. É importante ressaltar que nesse ramo as cooperativas devem ser geridas por um conselho de voluntários que não se enquadram nas referidas características dos cooperados que formam a cooperativa.

  • TransporteTransporte

    É uma espécie de cooperativa que poderia ser enquadrada no ramo trabalho, mas, devido às peculiaridades de sua atividade, tem denominação própria. As cooperativas de transporte dividem-se em modalidades: transporte individual de passageiros (taxi, mototaxi); transporte coletivo de passageiros (vans; ônibus); transporte de cargas (caminhões, motocicletas, furgões); transporte escolar (vans e ônibus).

  • TransporteMineral

    As cooperativas minerais são responsáveis pela pesquisa, extração, industrialização, comercialização e exportação de produtos minerais. Este trabalho é feito de forma sustentável, visando à qualidade de vida de seus cooperados e à preservação do meio ambiente. Com o cooperativismo, as atividades informais de mineração são formalizadas, assegurando direitos e melhores condições de trabalho aos mineradores.

  • Turismo e LazerTurismo e Lazer

    Turismo e lazer é o ramo das cooperativas que oferecem serviços de turismo, lazer, entretenimento, esportes, arte, gastronomia e hotelaria. O objetivo é que todas estas atividades sejam proporcionadas para os cooperados de forma mais barata, acessível, prazerosa e educativa. Este ramo tem potencial para crescer, pois o Brasil é rico em paisagens naturais, adequadas para o turismo. Além disso, contribui com a geração de emprego, distribuição da renda de forma mais igualitária, desenvolvimento da preservação do meio ambiente e da consciência de cidadania.

  • Quer ver como os 13 ramos colaboram para a economia do RS? Baixe agora o relatório Expressão do Cooperativismo Gaúcho.